DANÇA GHAWAZEE – UMA GRATA SURPRESA

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Olá queridos leitores.

Hoje venho aqui dividir com vcs uma das minhas gratas experiências como professora de Dança do Ventre.

Neste ano eu decidi, a pedido das alunas, ensinar a DANÇA GHAWAZEE para uma das minhas turmas de iniciantes. Confesso que foi uma decisão, no fundo, tomada com algumas dúvidas e receios. Eu explico:

Ghawazee (Ghazia, no singular) é o nome dado às mulheres de origem cigana, na sua maioria, que se estabeleceram no Egito por volta do SÉC XVIII. Elas eram dançarinas profissionais, que dançavam nas ruas e em festividades em troca de dinheiro, e algumas também se prostituíam.

O termo “Ghawazee”  significa “forasteiros, invasores” e hoje é aplicado  às mulheres que dançam profissionalmente nas ruas do Egito, cuja dança caracteriza-se por movimentos despojados e enérgicos de quadril, sem nenhum refinamento típico da influência da dança ocidental, tais como o ballet, da dança contemporânea, etc.

E era ai que habitava o meu receio. Seria adequado ensinar pra pessoas que nunca tiveram ou tiveram pouco contato com as Danças Orientais Árabes, uma dança tão despojada, aparentemente desprovida de técnica, sem o tão almejado glamour da Dança do Ventre? Eu não tinha resposta, apenas o desejo de ousar. E com certeza, eu teria a minha questão respondida à partir da experiência, da tentativa, da vivência prática. Não fazer seria uma decisão embasada na dúvida, na suposição e isso nunca me bastou. Então, “bora ensinar Ghawazee para minha turma de iniciantes!” 🙂

Para minha surpresa, o que eu vi foi uma turma solta, à vontade, extremamente sorridente e se divertindo como nunca tinha visto antes. Foi mágico!!! Até mesmo as mais tímidas, as mais inseguras, as mais sérias, se soltaram. Entenderam perfeitamente o espírito daquela dança e se jogaram de forma livre, sem auto-recriminação. Quem assiste pode até achar que uma ou outra não está tão solta assim, mas o professor que acompanha a personalidade de cada aluna sabe reconhecer quando ela está conseguindo ir além de si mesma.

Eu só posso dizer que cada vez menos eu me prendo às falsas diretrizes no ensinamento da Dança do Ventre. Acredito que o importante é estar atendo e sensível às necessidades da turma. E procurar conduzir, e mostrar ao aluno a riqueza do que podemos oferecer. Acho que o maior ganho que minhas alunas tiveram com este trabalho foi o desenvolvimento da expressão em cena, permitir o despojamento, sentir liberdade e principalmente a alegria de dançar. Soltar o corpo sem preocupação, sem muitas regras com certeza pode ser um bom começo para desinibir, sentir a dança e assim, experimentar diferentes posturas e exigências de cada estética a ser aprendida neste vasto universo da Dança Oriental Árabe.

Um grande beijo a todos e confiram o vídeo clicando na imagem abaixo.

ghawazee

Banner Sorteio 3 anos