COMENTÁRIO FEITO NO 12º PODCAST – “ENCONTRE O MESTRE”

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Apresento aos meus leitores o comentário que fiz no “PODCAST SALA DE DANÇA” do dia 12 de agosto de 2012 que debateu com muita propriedade a relação “MESTRE/ DISCÍPULO” na perspectiva da cultura oriental. Foi um debate incrível, super emocionante e cheio de lições. Vale à pena conferir. Vai lá!!!
Segue meu comentário.14 de agosto de 2012 às 16:09
Então… será que estou realmente pronta para comentar este pod? Mal começo e já sei que vou terminar com a sensação de que ainda existirá algo a ser dito, comentado, compartilhado.
Todo os pods até agora foram reflexivos (acho que é a natureza deles)… mas este me levou à introspecção. Bom, né? Não derramei nem uma lagrimazinha… rsss… mas me sinto vazia por dentro, com muita vontade de processar e reprocessa tudo que ouvi aqui.
Em meio a tantas questões levantadas e que ainda são pra mim, obscuras e que se desdobram sem fim, ficou claro, que ser professor, ser mestre, ser discípulo, em diversos momentos e dimensões das nossas vidas, depende de uma boa base recheada de amor, respeito e humildade. Sem esse tripé, pelo menos pra mim, não é possível construir uma relação genuína mestre/ discípulo. E que uma coisa não existe sem a outra. Não adianta termos todo amor pra dar quando ensinamos, ver no aluno o seu potencial e nos propor a aprender com ele, se nele habita a arrogância, a soberba e a ignorância.
Viver com sentido é abraçar a vida enquanto missão! E a dança faz parte disso. Ensinar de verdade é missão! Tem que haver sentido na escolha de um caminho. E estar sempre em contato com o porquê da minha escolha, com o porquê deste caminho é que vai me manter em pé, com cabeça erguida, deixando pra trás aqueles que buscam na dança e no relacionamento com o outro um sentido que não é o meu!
Estar em contato comigo mesma, com os meu valores, vai me dar a real noção dos meus erros, dos meus acertos, dos meus desvios… ou não… posso também perder a noção. Sempre haverá o que colocar no lugar quando temos o coração naquilo que fazemos. Precisamos ser generosos também com nós mesmos… e nos permitir, nos dar tempo. O momento do equilíbrio virá!
Encontro todos os dias, no exercício da minha profissão, mestres-alunos, mestres-professores, mestres-pessoas, com quem trocar. E este podcast me ajudou a reconhecer isso. Simplifiquei a palavra “mestre”. Nossa, e isso dá um prazer imenso!!!! Desmitifiquei, desmistifiquei, me libertei… existem mestres por um minuto, por um momento, por um instante… eu posso aprender até com uma formiga?!?! Olha que coisa libertadora é isso???? Tudo ao meu redor pode contribuir para o meu crescimento, para o meu melhoramento. Eu só posso agradecer e sorrir. A vida é muito mais grata do que eu já imaginava que ela era.
Eu quero mais é abrir os ouvidos, a cabeça e o coração!
Obrigada pelo presente, amigos da Sala de Dança!!!! Um beijo enorme, Adriana… que coisa boa é te ouvir. Um dia nos encontraremos…
Um dia eu vou estar na platéia… ahhhh, vou… a vida é grata!!!! ;-)
Bjuuus!!!!!

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.