A DANÇA DO VENTRE NO TEMPO DAS CAVERNAS

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

hathor
Deusa Hathor. Fonte: Site Grande Loja Feminina do RS

Olá queridos leitores!!

Hoje o post é beemmm polêmico, principalmente por esbarrar em crenças muito arraigadas no nosso meio e que dizem respeito à uma das prováveis origens da Dança do Ventre.

Muitos de nós, incluindo eu, acreditamos que a Dança do Ventre nasceu de rituais de fertilidade e prosperidade executados por civilizações antigas e predominantemente agrícolas. Eu não quero aqui entrar nessa discussão mas acho que a hipótese é bem plausível uma vez que até hoje existem rituais religiosos que utilizam a música e até mesmo a dança como forma de entrar em contato com o divino. Ritos dançantes fazem parte da história da humanidade.

O que eu discuto, no entanto, são conceitos antigos sendo validados até hoje, apesar da evolução da ciência e também da ausência de estudos científicos que os corroborem. Por exemplo, não é raro encontrar textos relatando que civilizações antigas usavam movimentos sinuosos para preparar a mulher para a fertilidade e para o parto. Já li inclusive que a dança era utilizada no combate às cólicas. Naquela época, com estilos de vida totalmente diferentes dos nossos, elas sentiam cólicas mesmo? Realmente não sei… só sei que por essas es outras, muitas professoras, a exemplo do que dizem acontecer nos países árabes, defendem o ensino da Dança do Ventre para crianças somente após a menarca. E eu pergunto: POR QUE?????

O que existe de comprovação científica que realmente garanta que a Dança do Ventre seja eficiente para aumentar a fertilidade de uma mulher e por isso só deva ser executada após a primeira menstruação da menina? Como e de que forma objetiva e criteriosamente estudada a Dança do Ventre pode favorecer a mulher na hora do parto? No que a Dança do Ventre especificamente auxilia a mulher no combate às cólicas que outra atividade física não seja capaz de fazer? E eu vou mais além!!! NÃO se sabe como eram os movimentos das mulheres naqueles rituais. Então, até que ponto existe semelhança entre o que era dançado na antiguidade e o que dançamos hoje?

Que a dança era usada nesses rituais, com tais finalidades, tudo bem, muitas publicações sérias nos trazem essa tônica. No entanto, nenhum estudo até hoje garante a EFETIVIDADE dessas crenças. Essa é a questão! Quantos conhecimentos não caíram por terra com o avanço da ciência, com o desenvolvimento de métodos de pesquisa, capazes de isolar variáveis e melhorar as relações de causa e efeito entre os fenômenos?

Na minha opinião, já passou da hora da Dança do Ventre se valer dos conhecimentos científicos e de novos preceitos para trilhar outros caminhos e começar a ser vista com mais seriedade. Libertar-se de premissas antigas parece doloroso, pouco romântico e pode nos deixar uma sensação de vazio. Pode até parecer que se trata de negar a história e as origens da dança. Não se trata disso. A questão diz respeito a explorar, conhecer, debater e divulgar todo potencial que a Dança do Ventre tem NOS DIAS DE HOJE e o quanto mais podemos evoluir. Sinto falta de trabalharmos melhor a relação da nossa dança com o PRESENTE, com a sociedade moderna, com as demandas e os problemas atuais da nossas civilizações. E assim, darmos um melhor futuro para a Dança do Ventre e para toda uma categoria de profissionais sérios e apaixonados por esta GRANDE ARTE.

Beijos e ótima semana a todos!! 😉

 Banner Sorteio 3 anos